O diretor da prisão de Oklahoma quer uma pausa por tempo indeterminado de todas as execuções no estado norte-americano para que os procedimentos possam ser revistos, depois de uma injeção letal fracassada ter desencadeado denúncias de tortura.

Numa carta dirigida a Mary Fallin, governador de Oklahoma, o diretor Robert Patton do departamento de Correções do mesmo Estado recomenda um «revisão global do protocolo de execução».

Nas recomendações, Patton inclui colocar a decisão de execução em mãos mais especializadas, acrescentando que a sua intenção é de «explorar as melhores práticas dos outros estados e garantir que o protocolo de Oklahoma adota padrões comprovados».