A Indonésia vai começar a castrar quimicamente os pedófilos condenados para tentar combater o abuso sexual de crianças. A informação foi divulgada aos jornalistas pelo procurador-geral indonésio Muhammad Prasetyo na terça-feira à noite, depois de a medida ter sido decidida numa reunião do executivo liderado pelo Presidente Joko Widodo.

“Estamos muito preocupados com os casos de abuso sexual de crianças. Este fenómeno atingiu níveis extraordinários. Isto vai fazer com que as pessoas pensem mil vezes antes de cometerem tais crimes.”


Segundo o procurador-geral, a punição será autorizada em breve através de uma diretiva presidencial, o que elimina a necessidade de uma votação no parlamento para se tornar lei.

Prasetyo esclareceu que a medida consiste em injetar uma hormona feminina nos pedófilos condenados para que o "seu desejo sexual" desapareça.

A Indonésia junta-se assim a um pequeno grupo de países que introduziram esta prática, incluindo a Polónia, a Rússia, a Estónia. A Coreia do Sul foi, em 2011, o primeiro país asiático a adotar a medida, que também é aplicada em alguns estados norte-americanos.

No ano passado a violação de um menino de seis anos numa embaixada em Jacarta foi alvo de uma grande atenção mediática. Este mês uma menina de nove anos também foi violada e encontrada morta na capital do país.