Yura Min é uma jovem patinadora artística que nasceu nos EUA e está a participar pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de inverno Pyeongchang 2018 e logo no seu país natal, a Coreia do Sul. A expetativa da atleta era alta, mas o seu desempenho no domingo tornou-a conhecida por motivos que não são propriamente desportivos. Durante a prova, a parte de cima do fato da atleta de 22 anos, que prendia atrás do pescoço, soltou-se. Yura Min continuou a patinar, arriscando-se a que a parte de cima do fato lhe deixasse o peito à mostra.

De acordo com a BBC, a coreografia de Yura Min e do parceiro Alexander Gamelin, que competem pela Coreia do Sul, tinha acabado de começar quando a jovem sentiu a parte de cima do fato, que prendia atrás do pescoço, a alargar. Confirmaram-se as piores suspeitas: o gancho que prendia o top do fato de patinagem, justo ao corpo e que lhe deixava as costas e a barriga à mostra, soltou-se poucos segundos depois de Min e Gamelin terem começado a patinar. Sem perder a compostura, a patinadora terminou o exercício. Yura Min sabia que, se parasse para ajeitar o fato, ela e o parceiro perdiam pontos.

São os meus primeiros Jogos Olímpicos, a nossa primeira coreografia. Se o meu top descesse, teria sido um desastre", disse a atleta. "Estive muito nervosa com a hipótese de o fato sair".

Apesar do percalço, a patinadora mostrou ter sentido de humor. Através Twitter, prometeu, com ironia, que vai coser o fato ao corpo.

Apesar do mau funcionamento do guarda-roupa, diverti-me muito a competir no meu país natal. Prometo coser o fato ao corpo para a prova individual. Queria agradecer ao público por nos ter apoiado até ao fim. Não conseguiria tê-lo feito sem vocês", escreveu.

 

De realçar também a atitude de Alexander Gamelin, que ao aperceber-se da situação da parceira, a ajudou, em determinado momento, a ajustar o top.

 

Still can’t believe we’re at the Olympics!! #olympics #pyeongchang2018

Uma publicação partilhada por Alex Gamelin (@instagamelin) a

De acordo com a BBC, Yura Min compete pela Coreia do Sul, apesar de ter nascido na Califórnia. O norte-americano Alexander Gamelin, seu parceiro, naturalizou-se sul-coreano para competir em Pyeongchang.