Terminou em festa, na Coreia do Norte, o sétimo congresso do Partido dos Trabalhadores. A cerimónia juntou milhares de pessoas na praça Kim Il-Sung, no centro de Pyongyang, para celebrar as conquistas de país e o encontro histórico, no qual ficou decidido que o regime vai continuar a expandir o arsenal nuclear.

A política de desenvolvimento do arsenal nuclear da Coreia do Norte, defendida pelo presidente Kim Jong-Un, foi aprovada no congresso, que durou quatro dias.

A reunião serviu para ratificar o papel de Kim Jong-un dentro do regime e a política “Byeongjin”, de desenvolvimento económico e nuclear. Nela ficou decidido "aumentar a força nuclear auto defensiva, tanto em qualidade como em quantidade", mas apenas se existir uma ameaça do mesmo nível, ou seja, se a Coreia do Norte for ameaçada por outra potência nuclear.

No encerramento do Congresso, no qual uma equipa da BBC chegou a ser expulsa, milhares agitaram ramos de flores e bandeiras do partido para saudar o líder norte-coreano. Nalguns cartazes podia ler-se: “Longa vida a Kim-Jong-Un” ou “Glória ao nosso querido líder”.

Este foi o primeiro encontro do partido em 36 anos.

 

Fake flowers & DPRK flags. Staples of mass celebrations in Pyongyang.

A photo posted by Will Ripley (@willripleycnn) on

 

Nobody does huge displays of devotion to the leader like #NorthKorea

A photo posted by Will Ripley (@willripleycnn) on