A paralisia cerebral de Braden Gandee, de apenas sete anos, impede-o, para já, de caminhar sozinho, sem recurso a ajuda, mas o irmão mais velho, de 14, está a lutar para que tenha um futuro melhor.

Hunter Gandee costuma ajudar o irmão, transportando-o, por exemplo, às cavalitas, mas desejoso que Braden seja cada vez mais autónomo decidiu instruir a população da sua terra, Temperance, no Michigan, Estados Unidos, para a condição que afeta o seu irmão.





Para isso, no próximo dia 7 ou 8 de junho, Hunter vai carregar o irmão às costas durante aproximadamente 65 quilómetros, a distância entre o ginásio da secundária de Temperance e a Universidade de Michigan, em Ann Arbor, para demonstrar «os desafios físicos e mentais por que passam as pessoas afetadas por paralisia cerebral».

Os pais vão acompanhar a caminhada de carro e Hunter sente-se preparado para o desafio, até porque é praticante de luta livre americana (wrestling) e diz-se habituado a treinos exigentes.

Até lá, o jovem de 14 anos tem vendido t-shirts e punhos e já recolheu mais de 250 euros para apoiar a investigação à paralisia cerebral na universidade local.