Um mandado de prisão foi emitido esta quinta-feira contra o ex-primeiro-ministro paquistanês Nawaz Sharif, destituído em julho pelo tribunal na sequência de um escândalo de corrupção, a menos de um ano das eleições legislativas, noticia a AFP.

O tribunal encarregado da luta anticorrupção “emitiu hoje um mandado de prisão contra o antigo primeiro-ministro por dois casos de alegada corrupção”, disse um dos seus advogados de defesa, Zafir Khan.

O advogado declarou que Nawaz Sharif é inocente.

O ex-primeiro-ministro paquistanês está em Londres a acompanhar a mulher, que sofre de cancro.

Uma audiência do ex-primeiro-ministro foi adiada para 3 de novembro, acrescentou Khan.

Nawaz Sharif foi indiciado há uma semana pelo mesmo tribunal, com acusações de corrupção extraídas do caso que ficou conhecido como "Papéis do Panamá".

As acusações surgiram na sequência da análise de milhares de documentos ligados a uma empresa de advogados panamiana, em que os investigadores afirmam que a família de Sharif detém bens financeiros, acusações que a família nega, reafirmando que "nada de mal foi feito".

O futuro político de Sharif tem estado num impasse desde julho último, quando o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) paquistanês o considerou "inapto" para o exercício de funções políticas.