Dez elementos do grupo de militantes talibãs que atingiu Malala no rosto em 2012 foram identificados e presos pelas autoridades paquistanesas, avança a AFP.





O caso remonta a 9 de outubro de 2012, quando Malala Yousafzai, na altura com 14 anos, foi surpreendida à saída da escola por um grupo de talibãs que a tentaram matar, disparando contra o rosto da jovem.

Para os talibãs, a jovem paquistanesa era uma presença incómoda porque defendia o direiro das crianças aos estudos, direito proibido pelos extremistas islâmicos.

O grupo será levado a tribunal nos próximos dias por causa ataque, que feriu ainda outras duas crianças.

Malala vive no Reino Unido, onde recebeu tratamento médico, porque continua a receber ameaças de morte por parte dos talibãs.