O ataque ao aeroporto de Carachi, no sul do Paquistão, terminou, quase 12 horas depois do início de um cerco que fez pelo menos 24 mortos, anunciou esta segunda-feira um porta-voz da força paramilitar da cidade.

O exército e os paramilitares prometeram entregar o controlo do aeroporto à Autoridade de Aviação Civil pelas 12:00 (08:00 em Lisboa), disse o porta-voz dos Rangers, Sibtain Rizvi, aos jornalistas.

Lançado na noite de domingo por um grupo de homens, munidos com armas automáticas e granadas, o ataque resultou em pelo menos 24 mortos, incluindo dez atacantes, de acordo com o mais recente balanço das autoridades paquistanesas, o qual foi, contudo, divulgado antes do fim dos confrontos.

Os talibãs reivindicaram a autoria do ataque, como vingança pela morte do seu líder Hakimullah Mehsud. «Nós levamos a cabo o ataque no aeroporto de Carachi para vingar a morte de Hakimullah Mehsud», disse à agência AFP Shahidullah Shahid, porta-voz do Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), o movimento dos talibãs paquistaneses que lidera, desde 2007, uma sangrenta guerra contra o governo de Islamabad.

Hakimullah Mehsud foi morto, em novembro, na sequência de um ataque de um drone (avião não tripulado) norte-americano numa zona tribal no noroeste do país, reduto do TTP.