O porta-voz do Vaticano disse hoje à AFP que será «altamente improvável» que o papa Francisco veja a final do Mundial2014 de futebol na companhia do papa emérito Bento XVI.

A final de domingo, apelidada já como «a final dos dois papas», opõe os países de ambos, Argentina (país de Jorge Bergoglio, papa Francisco) e Alemanha (de Joseph Ratzinger, papa emérito Bento XVI).

«O jogo é às 21:00 (20:00 em Lisboa) e o papa Francisco costuma deitar-se às 22:00 (21:00), ele pode querer ver a final, mas não tenho informações relativas a isso a três dias do jogo», disse Federico Lombardi.

Bento XVI, papa teólogo, intelectual e pianista nunca foi desportista. «Podemos excluir de maneira categórica que ele tenha vontade de ver o jogo», afirmou à AFP uma fonte do Vaticano que pediu o anonimato.

«Não é coisa dele, não é fã de futebol. Seria infligir-lhe uma penitência infinita obrigá-lo, aos 87 anos, a estar 90 minutos em frente a um ecrã de televisão para ver a final quando nem sequer viu um jogo completo na sua vida», acrescentou a fonte.

Já Francisco, antigo patriarca de Buenos Aires, é amante do futebol. Sócio do San Lorenzo de Almagro, de Buenos Aires, continua a seguir a atualidade do clube e a pagar as quotas. Durante o seu papado, já foram várias as ocasiões em que se pronunciou sobre futebol.

Antes do jogo Argentina-Suíça, dos oitavos de final, o papa Francisco dirigiu-se aos guardas suíços do Vaticano, que o convidaram para ver o jogo, dizendo em tom de brincadeira que o jogo «ia ser uma guerra», de acordo com a agência I. Media.

Ainda assim, consciente das paixões que o futebol desperta, escusou-se a comentar sobre o Campeonato do Mundo, e não fez prognósticos.

Algo menos habitual foi o facto de o jornal L'Osservatore Romano, do Vaticano, ter prognosticado a 2 de julho que uma final Argentina-Alemanha iria juntar "dois adeptos de exceção como o papa Francisco e Bento XVI".

«Podia acontecer que uma final entrasse na história por ter estes adeptos tão fora do comum», escreveu o autor do artigo, o ex-jogador Damiano Tommasi, médio defensivo que se notabilizou ao serviço da AS Roma entre 1996 e 2006, e que atualmente é presidente da Associação Italiana de Futebolistas e se dedica a missões de filantropia.