O presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, afirmou em comunicado que este acontecimento é um «ato bárbaro, perante o qual não se pode ficar calado ou aceitar», e assegurou que irá tomar as «medidas necessárias», tendo anunciado uma investigação do caso e três dias de luto oficial.