Um vídeo partilhado nas redes sociais trouxe de novo à tona o debate sobre as práticas policiais usadas nos Estados Unidos. Nas imagens, gravadas numa operação stop, pode ver-se um polícia a apontar uma arma, durante nove minutos, a um homem que seguia no lugar do passageiro. O caso aconteceu no dia 26 de julho, no norte da Califórnia, e foi filmado pelo condutor do carro, com o telemóvel.

De acordo com o El País, o relatório da polícia explica que o carro foi mandado parar por excesso de velocidade e, quando o agente pediu os documentos aos passageiros, a situação descontrolou-se. O homem que seguia no lugar do passageiro colocou a mão debaixo do banco e o polícia achou que estava a procurar uma arma e, por isso, apontou-lhe a pistola.

O passageiro implorou ao polícia que baixasse a arma, mas o agente ignorou e manteve a pistola apontada, durante nove minutos, enquanto esperava por reforços.

Meus Deus! Porque está a apontar a arma para mim? Porque continua a apontar a arma para mim? As minha mãos estão aqui”, questionou o passageiro repetidamente.

Durante o diálogo, o passageiro acabou por insultar o agente, que respondeu sempre de forma condescendente. O passageiro acabou por ser preso.

Segundo o El País, a polícia recusou-se a identificar os envolvidos no incidente e deve agora decidir se divulga as imagens transmitidas pela câmara de filmar que o agente tinha consigo.

Nos últimos anos, tem-se falado muito sobre a conduta da polícia nos Estados Unidos. Há quem acuse os agentes de terem uma atuação excessiva, que resulta, muitas vezes, em mortes de civis. Segundo o jornal The Guardianem 2015, a polícia norte-americana matou 1146 pessoas e, em 2016, 1093 pessoas.

Para outros, os polícias não são protegidos contra as potenciais ameaças num país em que, segundo o El País, há nove armas por cada 10 cidadãos, em média.