O Governo sírio aprovou a entrada de ajuda humanitária em sete áreas sitiadas no país, anunciou hoje a ONU, que já está a preparar a ajuda que deve ser distribuída às populações.

As localidades em questão são Deir Ezzor, Fua e Kefraya, na província de Idleb, e Madaya, Zabadani, Kafr Batna e Moadamiya, na periferia de Damasco, afirmou em conferência de imprensa o porta-voz da ONU, Farhan Haq.

Todas aquelas áreas foram identificadas pela comunidade internacional como das mais necessitadas e estavam incluídas na iniciativa para facilitar a ajuda humanitária negociada a semana passada em Munique, Alemanha.

Na altura, após o acordo alcançado para uma “cessação as hostilidades” na Síria, foi o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que fez o anúncio:

“Acordámos uma cessação das hostilidades em todo o país no prazo de uma semana”

Um dia antes do entendimento, um relatório da SCPR, uma organização não governamental, revelava que já morreram, na Síria, 470 mil pessoas em cinco anos. Destas, 400 mil foram vítimas da violência que eclodiu no país a partir de 2011, 70 mil morreram em consequência da falta de medicamentos, água potável ou comida, por exemplo.