O uso de armas químicas na Síria, se comprovado, constituiria «um crime contra a humanidade» que teria «consequências graves», declarou esta sexta-feira o secretário-geral da ONU Ban Ki-moon em Seul, onde se encontra de visita.

«Qualquer uso de armas químicas, em qualquer lugar, por qualquer pessoa, e independentemente das circunstâncias, viola o direito internacional. Tal crime contra a humanidade deveria ter consequências graves para aqueles que o cometeram», declarou.

Segundo a Coligação Nacional Síria, um ataque com armas químicas na quarta-feira matou 1.300 pessoas, mas o regime de Bashar al-Assad nega as acusações.

Um dia depois do alegado ataque químico que matou centenas de civis na Síria as posições diplomáticas da comunidade internacional começam a ganhar forma. Na quarta-feira, a França admitiu que uma «reação com força» possa ser necessária. Já os EUA declararam que não existem ainda conclusões sobre o uso de armas químicas.