O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, afirmou, esta terça-feira, que Rússia e França mantêm «abordagens diferentes» quanto à forma de resolver o conflito na Síria, após um encontro em Moscovo com o homólogo francês, Laurent Fabius.

A responsabilidade pelo ataque químico de 21 de agosto nos arredores de Damasco e a inclusão da ameaça de consequências na resolução a aprovar pelo Conselho de Segurança foram as diferenças citadas pelos dois ministros.

Segundo Lavrov, a Rússia tem «razões muito sérias» para acreditar que o ataque químico de 21 de agosto perto de Damasco foi «uma provocação». Fabius, por seu lado, considerou que o relatório apresentado na segunda-feira pela ONU «demonstra a responsabilidade do regime de (Bashar al) Assad no ataque de 21 de agosto», em que morreram centenas de pessoas.