Depois de o tribunal de Nova Iorque, nos EUA, ter desconsiderado as acusações feitas às Nações Unidas de terem tido responsabilidade na epidemia de cólera que assolou o Haiti em 2010, causando a morte de mais de 11 mil pessoas, e ter confirmado a imunidade da organização internacional, esta veio admitir ter tido um papel no início daquela epidemia.

De acordo com o Daily Mail, investigadores concluíram que existem provas de que o vibrião (bactérias alongadas com forma curva ou infletida) colérico tenha sido introduzido no rio principal do Haiti, em outubro de 2010, devido aos esgotos de uma base militar da ONU. Este agente de contaminação da cólera teria vindo, contudo, do Nepal.

A ONU manteve-se em silêncio durante anos relativamente à possibilidade de o surto da epidemia ter sido causado pelos seus soldados. Porém, no início deste mês essa posição alterou-se.

No ano passado, as Nações Unidas deram conta de que precisavam de fazer muito mais relativamente ao seu envolvimento no despoletar da epidemia e do sofrimento das pessoas afetadas pela cólera", explicou Ban Ki-moon, o secretário-geral da ONU, sob a forma de comunicado.

Também Farhan Haq, vice da secretaria-geral da ONU, afirmou que a ONU tem tido em consideração "uma série de opções" e que "uma nova e significativa série de ações por parte da organização" será apresentada publicamente num espaço de dois meses.

A declaração que acusava os capacetes azuis da ONU provenientes do Nepal de disseminarem a doença foi feita após o surgimento de um relatório que apontava a culpa da ONU no cenário devastador que assolava a ilha.