O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, defendeu esta sexta-feira as oportunidades criadas pelo reatar de relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba em 2015, e acredita que os dois países vão aprofundar o diálogo e as boas relações.

Guterres falava depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado esta sexta-feira o cancelamento da política de aproximação desencadeada pelo antecessor, Barack Obama.

O reatamento das relações diplomáticas em julho de 2015 entre Cuba e os EUA criou oportunidades para as pessoas dos dois países”, disse o porta-voz de António Guterres, Farhan Haq, citado pela agência EFE.

Haq disse que a ONU “espera que Cuba e EUA aprofundem o atual diálogo e promovam boas relações de vizinhança”.

Dando cumprimento aos princípios da Carta Fundacional, apoiamos os esforços para promover relações harmoniosos entre os Estados”, recordou o porta-voz.

O Presidente norte-americano denunciou esta sexta-feira o acordo com Cuba, promovido pelo antecessor, Barack Obama, durante um discurso em Miami, no Estado da Florida, em que criticou o regime cubano, classificando-o como “brutal”.

Donald Trump justificou a denúncia do acordo por este “não ajudar os cubanos e enriquecer o regime”.

Por outro lado, o ocupante da Casa Branca prometeu: “Agora, que sou Presidente, os EUA vão denunciar os crimes do regime Castro”.

Donald Trump apontou ainda o “sofrimento” dos cubanos “durante cerca de seis décadas”.

Um dos principais negociadores do acordo durante a Presidência Obama, Ben Rhodes, já criticou a decisão de Trump, considerando que devolve a relação bilateral “à prisão do passado” e dá ao castrismo “uma oportunidade” para se reforçar no poder.