Um momento histórico. Estados Unidos e Cuba estão mais perto do que nunca da normalização das relações, após uma troca de prisioneiros.

 

O regime de Raúl Castro libertou esta quarta-feira,  por motivos humanitários, o empreiteiro Alan Gross, que cumpria quinze anos de prisão, num processo de negociação no qual o presidente norte-americano, Barack Obama, esteve envolvido.

 

De acordo com a Reuters, o Vaticano também este envolvido no processo de conversações para a libertação do norte-americano, preso em 2009 enquanto trabalhava no país a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional.

Em troca de Alan Gross, preso há cinco anos, foram libertados três prisioneiros dos serviços secretos cubanos em solo americano.

 

Este é um primeiro passo que abre espaço a uma revisão da relação diplomática entre os dois países, recorde-se que os EUA impõem há mais de cinquenta anos, desde os tempos da guerra fria, um embargo comercial, económico e financeiro à ilha, altura em que suspenderam todas as relações com o país.

 

Outro sinal da normalização das relações é a reabertura de uma embaixada americana em Havana, sendo esperado que a ilha faça o mesmo em território norte-americano

  

Está previsto que os homólogos falem aos respetivos países ainda na tarde desta quarta-feira, anunciando uma mudança nas políticas relacionais entre os Estados Unidos e Cuba.