Já este domingo, a agência estatal KCNA comunicou que a Coreia do Norte desenvolveu uma arma nuclear com um "grande poder destrutivo" e que o líder Kim Jong-un inspeccionou uma bomba de hidrogénio que será carregada num novo míssil balístico intercontinental.

De acordo com a KCNA, o poder da bomba de hidrogénio é ajustável a centenas de quilotoneladas e pode ser detonada a grandes altitudes.

A agência escreve ainda que com componentes produzidos na região, a Coreia do Norte poderá construir quantas armas nucleares pretender.

O líder coreano, Segundo a KCNA, visitou o Instituto de Armas Nucleares e "viu a bomba de hidrogénio a ser carregada para um novo míssil ICBM".

Todos os componentes da bomba H foram feitos na Coreia e os procedimentos foram desenvolvidos na base de Juche, o que permite ao país produzir as armas nucleares que pretender", difundiu a agência.

A KCNA revela que "traçou metas para cumprir em termos de desenvolvimento nuclear", mas nenhuma referência foi feita sobre um próximo sexton teste com armas nucleares.

As novas ameaças da Coreia do Norte e as pretensas novidades do seu arsenal não foram ainda confirmadas por fontes independentes, nem forma alvo de qualquer reação até ao momento.