O presidente do Chipre, o conservador Nicos Anastasiades, foi hoje reeleito na segunda volta das eleições presidenciais, com uma votação entre 54,9% e 59,5%, derrotando o candidato da esquerda, segundo projeções à boca das urnas.

Anastasiades, que é reeleito para um novo mandato de cinco anos, venceu o candidato da esquerda, Stavros Malás, que pode ter alcançado entre 40,5% e 45,5 % dos votos, de acordo com as projeções avançadas pela televisão pública cipriota RIK.

A participação nas eleições foi inferior à de 2013, segundo o Ministério da Administração Interna, que indicou que uma hora antes do fecho das urnas 67,8% dos eleitores tinham votado, contra os 76,1% à mesma hora há cinco anos.

Na primeira volta, realizada a 28 de janeiro passado, Anastasiades obteve 35,5% dos votos, contra os 30,25% de Malás. Em terceiro lugar ficou o candidato do centro-direita, Nikos Papadópulos, com 25,74%.

Esta foi a segunda eleição presidencial em que os dois candidatos concorriam ao cargo.

Em 2013, Anastasiades derrotou Malás com 57,48 % dos votos contra 42,52 %.

Cerca de 550.000 eleitores foram chamados este domingo às urnas para eleger o novo presidente cipriota, para um mandato de cinco anos, que terá como principais tarefas realizar reformas económicas e relançar as conversações sobre a reunificação da ilha.

Anastasiades anunciou, após vencer a primeira volta, estar disposto a formar um governo de consenso alargado, para continuar as políticas desenvolvidas nos últimos anos, “sem fazer experiências”.

A questão da divisão da ilha, que se prolonga desde 1974, esteve no centro da campanha eleitoral. As negociações para a reunificação, patrocinadas pelas Nações Unidas, fracassaram no verão passado.

A República do Chipre, membro da União Europeia e da zona euro, apenas ocupa dois terços do território da ilha, sendo o resto (norte) controlado pela autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), apenas reconhecida pela Turquia.