O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, trocou «breves palavras», este sábado, com o seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, à margem da Cimeira das Américas, no Panamá, afirmou uma porta-voz da Casa Branca.

Obama defendeu um diálogo pacífico entre o governo e a oposição venezuelana e reiterou que os Estados não têm interesse em «ameaçar» a Venezuela, mas antes «apoiar a democracia, a estabilidade e a prosperidade» naquele país e na região», disse aos jornalistas Katherine Vargas, porta-voz da Casa Branca.

A conversa, de cariz informal, durou aproximadamente dez minutos, após um encontro «casual» no centro de convenções que foi palco da cimeira.

Durante a sua intervenção na VII Cimeira das Américas, Nicolás Maduro manifestou o interesse em reunir-se com Obama e propôs redirecionar as relações bilaterais a partir de um diálogo baseado no mútuo respeito, mas condicionado a quatro pontos, incluindo um contemplando a revogação do decreto em que os Estados Unidos consideram a Venezuela uma «ameaça».

Este encontro foi o primeiro entre os dois líderes desde que Maduro chegou ao poder, sucedendo a Hugo Chavez, em abril de 2013.