O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, transformou a canção “Despacito” num apelo aos votos para as eleições do próximo domingo, para a Assembleia Constituinte Popular. Os cantores do sucesso mundial, Luis Fonsi e Daddy Yankee, utilizaram as redes sociais para criticar Maduro e acusá-lo de uso ilegal da música.

Despacito, abre bem os olhos e olha para o teu povo. (…) Despacito, exerce o teu voto em vez balas, vê com as tuas ideias sempre em paz e em calma”, ouve-se durante o refrão que Maduro adaptou da canção original “Despacito”.

A versão foi apresentada no programa televisivo “Os Domingos com Maduro”. Enquanto a música tocava, o presidente venezuelano bateu palmas e os seus apoiantes dançaram.

Através da página de Instagram, um dos autores e intérpretes da canção, Luis Fonsi, criticou a versão não autorizada de Maduro do êxito “Despacito”. O cantor afirma que, apesar de haver várias versões mundiais da canção, tem que haver um limite.

Em nenhum momento me consultaram, nem eu autorizei o uso ou a alteração da letra de Despacito para fins políticos, muito menos no meio da deplorável situação que vive um país de que gosto tanto. A minha música é para todos aqueles que querem ouvi-la e desfrutar, não para usá-la como propaganda, que tenta manipular a vontade de um povo que está a pedir, a gritos, a sua liberdade e um futuro melhor”, pode ler-se na rede social do artista.

 

🇻🇪 🇻🇪🇻🇪🇻🇪🇻🇪

Uma publicação partilhada por Luis Fonsi (@luisfonsi) a

Daddy Yankee, o outro autor da música, que já é a mais ouvida de sempre, acusa o presidente venezuelano de “burla” para com o povo da Venezuela e refere ainda que houve um aproveitamento “ilegal da canção”.

Apropriares-te ilegalmente de um canção (Despacito) não se compara com o crime que cometes na Venezuela. É uma burla, não só para os meus irmãos venezuelanos, como para o mundo inteiro, do teu regime ditatorial”, escreveu o cantor.

 

¿Qué se puede esperar? de una persona que le ha robado tantas vidas a jóvenes soñadores y a un pueblo que lo que busca es un mejor futuro para sus hijos. Que te apropies ilegalmente de una canción (Despacito), no se compara con el crimen que cometes y has cometido en Venezuela. Es una burla, no tan solo para mis hermanos venezolanos, sino para el mundo entero su régimen dictatorial. Con ese nefasto plan de mercadeo, usted solo continuará poniendo en evidencia su ideal fascista, que ha matado a cientos de héroes y más de 2000 heridos. Como co-autor del tema, también me uno a las expresiones de la co-autora de la canción "Despacito" @erikaender. #NoAprobado #BastaYa #venezuelalibre 🇻🇪

Uma publicação partilhada por Daddy Yankee (@daddyyankee) a

Nos últimos meses, a Venezuela foi abalada por vários protestos violentos e, na semana passada, milhões de pessoas participaram numa greve geral.

De acordo com a BBC, já morreram cerca de 100 pessoas nos conflitos, que decorrem desde abril.

Esta semana, quarta e quinta-feira, há mais dois dias de greve geral, antes da eleição de domingo para a Assembleia Constituinte, que visa dar mais poderes ao governo de Maduro.