Assad «precisa de sair do seu esconderijo e mostrar apoio às pessoas que estão a morrer em campos de refugiados», afirmou o ator, apelando a que o líder da Síria pense nos que passam frio «enquanto ele está quente».






«Peço a todas as pessoas ao redor do mundo que doem o que puderem – dinheiro, medicamentos, cobertores – para ajudar os refugiados desesperados nos campos», afirmou.










«A parte triste é que finalmente tivemos alguns dias pacíficos, sem bombardeamentos ou ataques, e então chega a tempestade. Estamos a oferecer abrigo, mas mesmo assim é muito frio. E as pessoas que estão nos acampamentos?», questionou.





«Estamos a morrer lentamente aqui, ninguém nos vem ajudar e nós não temos nada», contou à Al-Jazeera Umm Abdo, uma refugiada síria na cidade de Arsal, que acrescentou estar preocupada com as crianças que vivem consigo, que podem sofrer de hipotermia.

«Nós não temos comida, não temos pão, não temos óleo para nos aquecer, e não temos sabemos o que fazer», afirmou com lágrimas nos olhos. «Fomos esquecidos e vamos morrer ao frio».