Na passada terça-feira, um médico foi chamado de urgência ao Centro Médico de Trinity, em Birmingham, no Alabama, EUA, para operar um paciente internado na unidade de cuidados intensivos. A tempestade de neve cortou a circulação de trânsito e Zenko Hrynkiw fez nove quilómetros a pé, no meio da intempérie, para chegar onde era preciso, escreve o jornal «All Alabama».

Tinha acabado uma cirurgia num hospital vizinho e estava a alguns quilómetros do local, quando Steve Davis, o enfermeiro chefe do Centro Médico de Trinity lhe ligou de urgência. O neurocirurgião ainda se meteu no carro, mas percebeu que não iria a lado nenhum, porque a circulação tinha sido cortada, em diversas vias da região, devido à forte tempestade de neve.

As autoridades locais ainda tentaram encontrar um transporte de emergência, mas não havia nada disponível. Sem medo, meteu-se à estrada, a pé. Demorou quase cinco horas a chegar.

Steve Davis ligou ao fim de algum tempo e o médico apenas lhe disse «não estava a conseguir ir a lado nenhum, estou a ir a pé», conta ao «Huffington Post». Passado duas horas, o enfermeiro volta a ligar e Zenko Hrynkiw diz-lhe: «estou a entrar no hospital, onde está o paciente?».

O paciente já estava preparado para a operação. Antes de se dirigir ao bloco operatório o neurocirurgião ainda falou com a família do doente. A intervenção cirúrgica correu bem e o doente está «estável».

Steve Davis não tem dúvidas: «sem a cirurgia o paciente provavelmente teria morrido». A atitude de Zenko Hrynkiw não surpreende o enfermeiro. «Ele está de serviço 330 dias por ano. É dedicado. Antes da cirurgia começar disse-lhe que ela era um homem bom, mas ele só respondeu que estava a fazer o seu trabalho», confessa ao «Huffington Post».