Polícias e membros de grupos que defendem os direitos dos animais resgataram 84 cães da raça dogue alemão mantidos em cativeiro em condições precárias numa mansão, no estado norte-americano de New Hampshire. A dona da propriedade, Christina Fay, de 60 anos, foi presa acusada de negligência.

As condições dentro do imóvel eram de total falta de salubridade. Os cães tinham acesso limitado a comida e água. Setenta tinham problemas de saúde associados à negligência e aos maus-tratos, dos quais vários sofriam de doenças graves nos olhos, provavelmente devido a infeções. A maioria circulava de forma livre pela mansão de oito quartos e nove casas de banho.

As equipas de resgate relatam que o chão da casa estava coberto de fezes, também encontradas nas paredes e nos móveis. A área de preparação de comida estava repleta de pedaços de frango cru a apodrecer.

Foi horrível lá dentro e o facto como um todo. Eu nunca tinha visto uma casa daquela magnitude em condições como aquelas", disse Lindsay Hamrick, diretora estadual da organização sem fins lucrativos ‘Humane Society of the United States, ao jornal local Union Leader.

"As condições eram deploráveis. Está difícil encontrar palavras para descrevê-las. Certamente é uma situação em que nenhum animal deveria ser deixado", disse Michael Straugh, chefe de polícia local ao jornal britânico Daily Mail.

Dean Rondeau, coronel reformado do exército dos EUA e líder da equipa policial que invadiu a mansão no dia 16 de junho, também se afirmou “horrorizado” com o que observou.

Havia três andares, os cães estavam nos três. Era absolutamente nojento, era horrível (…) nunca vi condições tão más. As palavras não conseguem descrever as condições abomináveis em que estes animais viviam”, afirmou.

Embora não tenham sido descobertos cadáveres de cães, a equipa policial acredita que deva haver alguns no local, já que quando invadiu a mansão estava à espera de resgatar 93 animais.

As investigações dizem-nos que estão lá [animais mortos], enterrados ou cremados”, disse Dean Rondeau.

Os cães, que variavam em idade entre apenas algumas semanas e adultos, foram todos retirados do local e estão a receber tratamento veterinário. Os animais, que constituem elementos de prova criminal, não estarão disponíveis para adoção até que a dona seja julgada.

Christina Fay aguarda julgamento, que deverá acontecer a 2 de agosto num tribunal em Ossipee, New Hampshire. A criadora de cães já é comparada, por moradores locais, à personagem Cruella De Vil, a vilã da história do filme “101 Dálmatas”.