A NAV - Navegação Aérea de Portugal informou que dos cerca de 1500 movimentos expectáveis na Região de Informação de Voo [RIV] de Lisboa realizaram-se apenas 730 movimentos na terça-feira, devido a uma falha técnica a nível europeu, que entretanto já está resolvida.

“Em toda a RIV de Lisboa, foram efetuados cerca de metade dos movimentes expectáveis para uma terça feira nesta época do ano, isto é: dos cerca de 1500 movimentos expectáveis realizaram-se apenas 730 movimentos”, segundo fonte oficial da gestora do espaço aéreo nacional.

A Eurocontrol, organização europeia para a segurança da navegação aérea, tinha comunicado que uma falha técnica poderia provocar atrasos em metade dos cerca de 30 mil voos previstos para terça-feira no espaço aéreo europeu.

Questionada pela Lusa sobre o assunto, fonte oficial da NAV disse nesse dia que "não existem quaisquer restrições ao tráfego em sobrevoo nas RIV [Região de Informação de Voo] de Lisboa e Santa Maria".

No entanto, acrescentou a mesma fonte, "nos aeroportos nacionais, à semelhança dos restantes aeroportos da rede europeia do 'network management', foram ativados os planos de contingência, o que implica restrição nas descolagens".

Inédita desde 2001, esta avaria técnica foi resolvida pelas 19:00 de terça-feira, com o “regresso à normalidade” do sistema de gestão do espaço aéreo denominado ETFMS.

“Foram realizados vários testes internos e com a coordenação com os aeroportos, as companhias aéreas e o controlo do tráfego”, segundo uma informação do Eurocontrol, na noite de terça-feira, sobre o sistema que permite gerir até 36 mil voos diariamente.

Eurocontrol anuncia “investigação completa”

A Eurocontrol informou hoje que está já a decorrer uma “investigação completa” sobre a falha técnica.

Atualmente, estamos a levar a cabo uma investigação completa sobre a interrupção, a implementação do procedimento de contingência e a fase de recuperação para garantir que identificámos todas as melhorias necessárias e as implementarmos”, segundo um comunicado da organização.

A Eurocontrol garantiu ter sido identificada a origem da interrupção e que foram tomadas medidas para não se repetir a falha resolvida pelas 19:00 de terça-feira.

Na origem da falha esteve uma “ligação incorreta entre os testes de lançamento de um novo software e o sistema de operações” ativo, o que levou a uma supressão de todos os planos correntes de voo” no sistema.

Estamos confiantes que não houve uma interferência externa”, lê-se na nota da Eurocontrol, que referiu ainda não poder dar os números totais dos voos afetados e lamentou o impacto nos passageiros e nas companhias aéreas.