Passar tempo com a natureza proporciona "um precioso espaço para respirar" da vida moderna: foi este o argumento utilizado pelo naturalista David Attenborough para pedir ao público que se junte à maior contagem de borboletas do mundo. O exercício consta em passar 15 minutos a contar borboletas e submeter os avistamentos online.

A Organização de Caridade de Conservação de Borboletas pede ao público que identifique e registe 17 espécies de borboletas nas próximas três semanas. Este desafio para além de contribuir para o conhecimento da conservação contribui também para a saúde mental, pois despender tempo com a natureza pode ajudar a aliviar problemas como a depressão e a ansiedade.

Peço às pessoas que desviem a atenção dos conflitos e problemas sobre o que as rodeia, como o Brexit, e que se sentem num lugar calmo onde o sol esteja a brilhar e conte quantas borboletas vê”, aconselha o naturalista e presidente da organização David Attenborough.

A maioria das espécies de borboletas está em declínio nos últimos 40 anos. No entanto, este ano, o inverno frio seguido de um clima estável durante o final da primavera e no verão, no Reino Unido, criou as condições adequadas para o florescimento das borboletas.

Mas, se as condições climáticas quentes originarem uma seca, os resultados podem ser "catastróficos", pois as plantas murcham e os insetos morrem por falta de alimento, explica a Organização de Caridade de Conservação de Borboletas, que organiza a contagem. A tragédia aconteceu em 1976, quando as borboletas entraram em colapso após um quente verão.

Segundo o relato de David Attenborough, estar em contato com a natureza “oferece-nos todo um precioso espaço para respirar longe das tensões e pressões da vida moderna”, e acrescenta que "o simples prazer de olhar para as borboletas no jardim acalma a alma e o espírito.".

Algumas das minhas experiências mais memoráveis aconteceram quando estive sentado e a observar a vida selvagem à minha volta", refere David.

A grande contagem de borboletas do ano passado foi a maior de sempre, contando com mais de 60 mil pessoas a submeter avistamentos. Contudo, o número médio de borboletas vistas numa contagem de 15 minutos foi o menor registado desde que o desafio começou, em 2010. O reduzido número de borboletas avistadas deveu-se, em parte, ao clima do verão passado, que foi um dos mais chuvosos dos últimos 100 anos.