A Organização Não Governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou o nascimento de um bebé, esta manhã, a bordo de um navio da Marinha irlandesa que opera no mar mediterrâneo. A mãe estava num barco vindo da Líbia e com destino ao sul de Itália, quando começou a sentir contrações e começou a temer pela vida do filho.

As autoridades que patrulham o mar mediterrâneo avistaram o barco de refugiados a tempo e resgataram todas as pessoas, incluindo a mulher grávida que se submeteu ao parto com o apoio dos médicos presentes no navio.

A MFS anunciou este nascimento no Twitter, transmitindo uma mensagem de esperança para todos aqueles que fogem do seu país.

Fé já estava a sentir contrações quando saiu da Líbia e estava com medo de dar à luz no barco de borracha”, disse a MSF.

 

 

A parteira que trouxe o pequeno Newman Otas ao mundo também publicou uma fotografia na Internet e acrescentou um comentário que sublinhava as condições lastimáveis a que estes refugiados se submetem para fugir da morte e procurar um futuro melhor.

Foi um parto muito normal em condições perigosamente anormais”, disse Jonquil Nicholl.

 

Dois mil e trezentos resgatados num só dia

A Guarda Costeira italiana anunciou esta segunda-feira que, só no domingo, retirou das águas cerca de 2.300 refugiados. A missão teve o apoio de 18 navios de várias nações e de Organizações Não Governamentais que também ajudaram no resgate e apoiaram os refugiados a bordo dos navios.

Também a equipa da Polícia Marítima portuguesa tem desenvolvido várias missões de resgate e apoio a refugiados. Esta segunda-feira, anunciou que, no sábado, resgatou 54 migrantes e refugiados de um bote no mar Egeu.

Entre os resgatados estavam quatro bebés e crianças que se encontram fora de perigo.

Desde que a 01 de outubro de 2015, a Polícia Marítima portuguesa resgatou, em segurança, e transportou para terra um total de 3.618 refugiados e migrantes, que corriam risco de vida, dos quais 881 bebés e crianças e 783 mulheres.

A PM vai cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço até 30 de setembro.