Os cientistas detetaram pela primeira vez um astéroide interestelar no Sistema Solar. O objeto tem uma forma invulgar, extremamente alongada.

‘Oumuamua foi o nome dado a este asteróide que foi descoberto a 19 de outubro, por Rob Weryk, investigador no Instituto de Astronomia de Honolulu, no Havai.  A palavra havaiana significa “mensageiro de muito longe que chega primeiro”.

A velocidade e a trajetória deste objeto sugerem que este asteróide é de outro sistema planetário, que não o Sistema Solar. Assim, ‘Oumuamua é o primeiro objeto interestelar a visitar o Sistema Solar.

Durante muito tempo acreditámos, na teoria, na existência desse tipo de objetos interestelares. Agora, pela primeira vez, temos evidências que comprovam a sua existência”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da missão científica da NASA, em Washington, capital dos Estados Unidos da América.

Karen Meech e outros investigadores do Instituto do Havai serviram-se de observações feitas através do Telescópio Gigante do Chile para concluir que ‘Oumuamua tem aproximadamente 400 metros de comprimento e está em rápida rotação, sujeito a mudanças significativas no próprio brilho.

Também descobrimos que tem uma cor avermelhada, semelhante aos objetos externos ao Sistema Solar, e confirmámos que é completamente inerte, sem o mais pequeno vestígio de poeira à sua volta”, explicou Meech.

As caraterísticas de ‘Oumuamua indicam que se trata de um objeto denso, composto por rocha e, provavelmente, metal. Não tem água nem gelo e a sua superfície é avermelhada devido aos efeitos da radiação provocada pelos raios cósmicos ao longo de grandes períodos de tempo.

Apesar de ter origem num sistema planetário diferente, o de outra estrela que não o Sol, os cientistas consideram ser possível que ‘Oumuamua tenha vagueado pela Via Láctea, galáxia da qual faz parte o Sistema Solar, centenas de milhões de anos antes de ter encontrado o nosso Sistema.

Relativamente à forma invulgarmente alongada de ‘Oumuamua, Karen Meech explica:

Se durante a formação de um sistema planetário tiver havido uma grande colisão entre corpos com núcleos fundidos, parte do material pode ter sido ejetado e congelado numa forma alongada”