O escritor espanhol Rafael Chirbes, de 66 anos, autor do romance “Na margem”, morreu hoje, vítima de doença prolongada, anunciou o escritor e jornalista Juan Cruz.

Chirbes nasceu na localidade de Tabernes de la Valldigna, na região de Valência, no sudeste de Espanha, e ao longo da sua carreira, entre outros, recebeu o Prémio Nacional da Crítica, em 2007, e o Prémio Nacional de Narrativa, em 2014.

Romancista e jornalista, Chirbes foi também crítico literário e autor de artigos de viagens, em 1988 foi finalista do Prémio Herralde com o seu romance de estreia, "Mimoun".

Entre outras, além de “Na margem” ("En la Orilla"), é autor de "Crematorio", obra que foi adaptada à televisão, e lhe valeu o Prémio Nacional da Crítica e o Prémio Dulce Chacón, e com a qual terminou a trilogia sobre Espanha contemporânea, iniciada com "La larga marcha" (1996).

"La buena letra” (1992) e "La caída de Madrid" são outras obras deste autor que escolheu a localidade de Beniarbeig, nos arredores de Valência, para viver com os seus dois cães e dedicar-se à escrita.

Em junho último, foi um dos autores que esteve presente na Feira do Livro de Lisboa, e apresentou no Instituto Cervantes, também na capital, o romance “Na margem”, considerado o Livro do Ano, em 2013, pelos jornais El Mundo, El País e ABC.