O grupo Boko Haram voltou a atacar uma aldeia nigeriana, esta quinta-feira, e deixou um rasto de destruição e vítimas mortais.

Durante o assalto, os terroristas terão devastado várias casas enquanto atirava indiscriminadamente pelos habitantes. O jornal The Guardian escreve que pelo menos 18 mulheres terão morrido no ataque e um habitante local, Moses Kwagh, refere que há mais pessoas desaparecidas.

Fonte policial confirmou o ataque à aldeia de Kuma, no Estado de Adamawa, a nordeste da Nigéria, sem referir um número oficial de vítimas mortais.

“Ainda estamos a apurar o que realmente aconteceu. Enviámos tropas para o local enquanto aguardamos a evolução do caso, porque as pessoas têm medo de regressar à aldeia”, disse um porta-voz do governo.

Esta aldeia, próxima de uma zona florestal onde os combatentes do Boko Haram se têm escondido, já tinha sido alvo da fúria do grupo terrorista em fevereiro.

Quando dizemos que eles [os jihadistas nigerianos] ainda cá estão, algumas pessoas na capital descartam essa possibilidade e afirmam que já expulsaram o grupo terrorista. Agora vejam o que acontece…”, lamentou Kwagh.

Ataque em campo de refugiados vitima sete polícias

Sete polícias foram mortos num ataque, esta quinta-feira, ao campo de Nguagam, no sudeste do Níger, que acolhe refugiados e deslocados em fuga do grupo jihadista nigeriano, Boko Haram.

O número de vítimas mortais foi confirmado por uma fonte das forças de segurança, afirmando que “sete polícias foram mortos” e que os funerais foram realizados no dia de hoje.

O ataque ocorreu logo após a passagem de uma delegação ministerial.