A Arábia Saudita rejeitou no sábado à noite as críticas feitas pelo Irão, que exigiu uma investigação sobre a debandada ocorrida na quinta-feira perto de Meca, na qual morreram pelo menos 769 pessoas, incluindo cerca de 130 iranianos.

“Penso que os iranianos têm coisas melhores para fazer do que explorar politicamente uma tragédia que atingiu as pessoas que realizavam os seus ritos religiosos mais sagrados”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, durante um encontro com o seu homólogo norte-americano, John Kerry, em Nova Iorque.

Horas antes, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, o Presidente iraniano, Hassan Rohani, tinha exigido uma investigação sobre a debandada trágica ocorrida na quinta-feira, em Mina, perto de Meca, na Arábia Saudita.