O estilista Oscar de la Renta morreu na segunda-feira na sua casa no estado norte-americano do Connecticut, aos 82 anos, informaram fontes familiares.

Oscar de La Renta, de origem dominicana, padecia de cancro há cerca de oito anos, de acordo com a agência Efe. A morte do estilista foi confirmada ao diário The New York Times pela viúva, Annette de la Renta.



Determinado a permanecer relevante, De La Renta alcançou a fama em duas esferas distintas: como estilista da alta sociedade e como o rei da «red carpet».

Oscar vestiu primeiras-damas dos EUA, como Betty Ford, Nancy Reagan, Hillary Clinton e Laura Bush. E também vestiu estrelas de Hollywood, como Penélope Cruz, Oprah Winfrey, Cameron Diaz, Sarah Jessica Parker e Nicole Kidman.

A filha de Laura e George Bush casou-se, em 2008, com um vestido do conceituado estilista.  A sua mais recente criação foi o vestido de noiva da advogada Amal Alamuddin, para o seu casamento com George Clooney


A vida do estilista
Oscar de la Renta Aristedes nasceu a 22 de julho de 1932 em Santo Domingo, na República Dominicana. Foi o mais novo de sete filhos e o único rapaz.

Ao fazer 18 anos mudou-se para Madrid, onde iniciou os estudos de pintura, na Academia de San Fernando. Acabou por mudar de rumo e tornou-se estilista. Foi também na capital espanhola que estagiou com Cristobal Balenciaga, que se tornou seu mentor, onde o seu trabalho era esboçar vestidos para enviar aos clientes.

Quando Oscar pediu a Balenciaga para o transferir para o estúdio principal em Paris, o estilista disse-lhe que ainda não tinhas qualificações para isso e que deveria aguardar um ano. Em vez de esperar, De la Renta partiu para Paris, com cartas de recomendação, e foi-lhe imediatamente oferecido um emprego na Christian Dior.

No dia seguinte, Oscar foi ter com Antonio del Castillo, o designer da Lanvin, que estava à procura de um assistente. Castilho ofereceu-lhe mais dinheiro do que a Dior e pediu à mulher que dirigia a escola de moda, onde Oscar se tinha inscrito, se ela lhe poderia ensinar o curso, de um ano, em duas semanas.

Oscar trabalhou com Castillo de 1961 a 1963 e depois decidiu tentar a sua sorte nos Estados Unidos. Mudou-se para Nova Iorque, para trabalhar para Elizabeth Arden.

Em 1965, De La Renta deixou Arden para se juntar à empresa Seventh Avenue, de Jane Derby, como sócio e designer. Pouco tempo depois Derby aposentou-se e Oscar assumiu o controlo, com o apoio de Ben Shaw.

Oscar de la Renta foi presenteado com prémios Coty, tendo sido escolhido por um júri composto por editores de moda, por ter tido a maior influência na moda em 1967 e 1968. Em 1973, foi nomeado para a Coty Hall of Fame, e em 1989 foi-lhe entregue o Achievement Award pelo Conselho de Estilistas de Moda da América.

A sua última apresentação em público ocorreu durante a Semana de Moda de Nova Iorque, a 9 de setembro. Anunciou, a 13 de outubro, que Peter Copping seria o novo diretor criativo da marca.


Celebridades prestam tributo ao estilista
O mundo da moda está de luto com a morte de Oscar de la Renta. Assim que a notícia chegou ao conhecimento público, várias celebridades têm prestado homenagem ao estilista nas redes sociais.

A ex-primeira dama norte-americana Laura Bush foi uma das pessoas que recordou o «talento maravilhoso» do estilista «para ver o que melhor se adequa à mulher, as formas que a beneficiam e as cores que mais a favorecem».

Lucy Lui, a atriz norte-americana de Anjos de Charlie, escreveu: «RIP Oscar de la Renta». Cindy Crawford, a modelo e atriz, partilhou: «Descansa em paz Oscar dela Renta. Vamos sentir falta do teu talento».

A cantora Jennifer Lopez mostrou o seu apoio para com os familiares do estilista: «Oscar de la Renta… As minhas orações estão com a família».

Zac Posen, um estilista americano, definiu-o como: «O Génio. O Cavalheiro. Oscar de la Renta. Descansa em paz meu amigo».

Já a estilista Vera Wang teve de twittar três vezes para conseguir dizer tudo o que queria: «Um dos mais apaixonados, sofisticados e ícone na moda. Para Annette, a sua amorosa mulher, e para os filhos, as nossas mais profundas condolências. O Oscar criou um mundo de luxo, estilo e elegância».