O criador de moda francês Hubert de Givenchy, fundador da casa de moda com o mesmo nome, morreu sábado, aos 91 anos, durante o sono. A notícia da morte foi confirmada à Agência France-Presse (AFP) pelo companheiro do estilista, o ex-designer de alta-costura Philippe Venet. O casal vivia num castelo perto de Paris.

É com grande tristeza que Philippe Venet informa da morte de Hubert Taffin de Givenchy, seu companheiro e seu amigo. Givenchy morreu durante o sono no sábado. Os sobrinhos e as sobrinhas partilham do sofrimento", refere o comunicado da família.

Givenchy era um aristocrata. Batizado Hubert James Marcel Taffin de Givenchy era filho dos marqueses Lucien e Béatrice Taffin de Givenchy. O avô tinha uma fábrica de tapetes e o seu interesse pela moda começou quando tinha 10 anos.

O estilista tornou-se um dos grandes nomes da moda mundial ao dar forma à elegância feminina nos anos 1950 e 1960. Givenchy ficou famoso por ter ajudado a criar o mito do "pequeno vestido preto". Vestiu a primeira-dama dos Estados Unidos Jacqueline Kennedy e, entre outras, Audrey Hepburn, no icónico filme Breakfast at Tiffany's e também em Funny Face. A atriz inspirou o seu primeiro perfume L'Interdit. 

As criações de Givenchy estrearam-se nas passarellas em fevereiro de 1952, com peças em preto e branco. Apresentou as última coleção em 1995, no Grand Hôtel de Paris.

O jornal francês Le Figaro destacou que Givenchy era um dos "últimos grandes nomes dos anos de ouro da alta-costura".

Amante de Botânica, de cães e de decoração de interiores, o estilista definia-se como um "eterno aprendiz" e atribuía o seu sucesso "à amizade".

Eu vou parar de desenhar vestidos, mas não de descobrir. A vida é como um livro. É preciso saber virar as páginas", afirmou Givenchy na altura em que se reformou.