Uma advogada estagiária foi detida, na quarta-feira, depois de ter deixado a sua cadela presa na cozinha de sua casa, em Bristol, Inglaterra, a morrer à fome. A mulher, que se tinha mudado para casa da mãe, deixou o animal amarrado à maçaneta da porta e sem comida.

Roxy, de cinco anos, ainda terá tentado soltar-se das amarras, mas não terá sobrevivido mais de seis dias sem comida. Segundo uma veterinária, o tormento do animal terá sido gradual e doloroso.

A dona, de 27 anos, Katy Gammon ainda alegou, falsamente, que tinha avisado o namorado para ir a casa alimentar o animal.

Segundo o «Daily Mail», Roxy só foi descoberta dez semanas depois, em novembro, quando os vizinhos requisitaram intervenção policial, devido a uma «praga» de moscas que se amontoavam na cozinha da Gammon.

As autoridades sentiram um cheiro intenso, chamando logo de seguida uma instituição animal, «RSPCA», que removeu o corpo, numa altura em que este já se encontrava em processo de decomposição.

Gammon que trabalha na firma «Bristol Lyons Davidson», especializada em negligência médica, declarou-se culpada. Quando foi detida por 18 semanas e com a proibição de albergar mais animais na vida, chorou.

No entanto, o juiz, Rod Mayall afirmou que Gammon terá «mostrado remorsos limitados». «Não se conseguiu comportar como uma pessoa normal. Este é o caso mais grave de crueldade contra animais que já passou por este tribunal», defendeu.

Uma petição online, «justiça para Roxy, a cadela boxer» recolheu cerca de 100 mil assinaturas. Os manifestantes juntaram-se junto ao tribunal, inclusive, o ex-namorado de Gammon, Adam Taylor, pedindo por uma pena mais dura.