Um britânico diz ter descoberto o local exato, na Síria, onde o jornalista norte-americano James Foley foi decapitado por um membro do Estado Islâmico, a 19 de agosto.

Eliot Higgins é especialista em análise de vídeo e fotografia e é conhecido pelas suas investigações sobre o atual conflito na Síria, a partir das redes sociais.

O britânico analisou, de forma metódica, as imagens que são mostradas ao longo dos cinco minutos de vídeo que registaram a morte do jornalista, escreve o «Telegraph».

A paisagem que serviu de cenário foi o objeto principal da sua análise. Higgins identificou vários detalhes que constituiu como pistas para encontrar o local.



O britânico concluiu que as características geológicas do local do crime eram semelhantes às existentes em Raqqa, no norte da Síria, a «capital» do Estado Islâmico.

Depois, juntando todos os elementos que identificou e comparando-os com imagens de satélite, Higgins descobriu aquelas que, segundo o próprio, são as coordenadas exatas do local onde Foley foi assassinado: 35.88219, 39.03617.

A descoberta do local da morte de Foley poderá ser uma pista decisiva para encontrar o homem que decapitou o jornalista.

O embaixador norte-americano no Reino Unido, Peter Westmacott, afirmou, este domingo, que as autoridades britânicas estão «muito próximas» de encontrar o autor do crime.

Westmacott adiantou ainda que a investigação está a envolver um conjunto de tecnologias complexas como o reconhecimento através da voz.

Recorde-se que o rapper britânico Abdel-Majed Abdel Bary foi apontado pela imprensa britânica como o principal suspeito da decapitação..