O primeiro-ministro da Roménia, Sorin Grindeanu, foi afastado do cargo pelo seu próprio partido, que apresentou uma moção de censura, aprovada uma clara maioria parlamentar.

O Partido Social-Democrata de Grindeanu, em funções há menos de seis meses, apresentou a moção considerando que o primeiro-ministro não aplicou a agenda política do partido.

A moção foi aprovada por 241 dos 464 deputados do parlamento romeno, mais oito dos que os 233 necessários.

O partido decidiu também excluir Grindeanu da formação, de que é membro há 21 anos.

A vitória do PSD nas legislativas de 11 de dezembro aconteceu cerca de um ano depois de um incidente em torno de um incêndio num clube noturno ter provocado a morte de 64 pessoas, cujas repercussões mediáticas levou à demissão do anterior primeiro-ministro, Victor Ponta.

Desde então, a Roménia foi conduzida por um governo de gestão, liderado por Dacian Ciolos, 47 anos, antigo comissário europeu.