Os cães de Johnny Depp já abandonaram a Austrália e estão a caminho dos Estados Unidos, num jato privado, depois de o ministro da Agricultura, Barbnaby Joyce, ter ameaçado que os dois Yorkshire Terriers seriam abatidos caso não abandonassem o país. Foi o próprio Barnaby Joyce, que anunciou no Twitter, esta quinta-feira, que os cães já tinham "desaparecido".
 
Antes disso, o ministro emitiu um comunicado para dizer que os cães iam regressar a casa através de um jato privado. Ainda assim, o governante sublinhou que Depp violou as regras australianas e, por isso, a investigação vai continuar.

“Fui informado de que Pistola e Boo vão regressar a casa, nos Estados Unidos, através de um jato privado, o que é a melhor notícia que tenho. Naturalmente, prossegue uma investigação sobre a forma como eles vieram para a Austrália. O senhor Depp decidiu violar as leis da nossa nação.”


A polémica instalou-se na quinta-feira depois de o ator ter levado os animais para a Austrália sem pedir autorização às autoridades alfandegárias. Pistola e Boo foram avistados na casa alugada pelo ator, que se encontra em terras australianas a gravar o quinto filme da saga "Piratas das Caraíbas". O ministro da Agricultura disse então que os animais seriam abatidos caso não abandonassem o país em dois dias. O prazo terminava, assim, este sábado de manhã.

O ultimato causou uma onde de indignação nas redes sociais, com milhares de pessoas a partilharem comentários com a hashtag #WarOnTerrier.
O milionário Clive Palmer também deu o seu parecer sobre o caso e afirmou que esta situação tinha feito da Austrália a “chacota do mundo”.

“(…) é um desperdício de tempo e causa uma má imagem  da Austrália.”