O Ministério Público da Coreia do Sul pediu hoje uma pena de 15 anos de prisão para o presidente da firma que operava o ferry Sewol, por considerar ser parcialmente responsável pelo naufrágio que fez mais de 300 mortos.

 

«Pedimos 15 anos de prisão para o arguido, tendo em conta a escala do desastre, o seu estatuto e responsabilidade nas causas», disse o procurador Park Jae-Eok, referindo-se a Kim Han-Sik, CEO da Chonghaejin Marine Co., que está a ser julgado na cidade de Gwangju.

 

Pena pesada, sem dúvida, mas a Coreia do Sul ficou chocada como vídeo que mostrava como o comandante do navio que naufragou com centenas de estudantes foi o primeiro a sair. Um dos primeiros a sair foi precisamente o comandante. Vinha descalço, ainda em roupa anterior.

 

Segundo a Lusa, o Ministério Público também pediu penas de prisão efetiva de entre quatro e seis anos para dez outros arguidos que estão a ser julgados com Kim Han-Sik.