O presidente norte-americano Barack Obama vai manter 8.400 soldados no Afeganistão até janeiro de 2017, quando termina o mandato. A previsão anterior era deixar 5.500 militares até essa data e reduzir ainda o número de bases, incluindo as de Bagram, Jalalabad e Kandahar.

A situação de segurança no Afeganistão continua precária”, afirmou Obama durante o anúncio, feito esta quarta-feira na Casa Branca. “Não vou deixar que o Afeganistão seja usado como porto seguro para terroristas”.

Atualmente, 9.800 homens das forças norte-americanas estão no Afeganistão. A previsão de reduzir o número para 5.500 soldados foi alterada devido ao ressurgimento dos talibãs.

Obama disse ainda que o papel das forças americanas naquele país – que inlcui o treino e aconselhamento da polícia e das tropas afegãs, por exemplo – permanecerá inalterado.

No início de junho, o governo americano já tinha decidido reforçar a ajuda ao governo afegão, em dificuldades para enfrentar os talibãs.  

A mudança de estratégia de Washington acontece numa altura em que o novo líder dos talibãs afegãos, o mulá Haibatulá Ajundzada, pediu aos Estados Unidos que colocassem fim à sua ocupação no país.

No último ano e maio, 38 americanos perderam a vida no Afeganistão em ações militares.