A União Europeia (UE) deu, nesta sexta-feira, três meses à Grécia para corrigir as “falhas graves” no controlo do fluxo de migrantes, caso contrário será sujeita a controlos fronteiriços com os restantes países da zona de livre circulação Schengen.

Por proposta da Comissão Europeia, a decisão foi hoje adotada pelos Estados-membros numa reunião dos ministros das Finanças europeus, segundo fontes europeias citadas por agências internacionais.

A Grécia votou contra e Chipre absteve-se, segundo uma dessas fontes.