Segundo informou a agência AFP, a ministra garantiu que a fronteira não vai ser fechada e que esta é uma medida que visa controlar as entradas no país.

“Trata-se de garantir que as entradas são controladas e feitas de forma ordeira, não de fechar a fronteira”, disse Mikl-Leitner ao canal público Oe1.

A Áustria vai, assim, tornar-se o segundo país a erguer uma vedação devido ao fluxo migratório dos últimos meses, depois da Hungria, que construiu já duas cercas na fronteira com a Sérvia e Croácia. 

Também a Eslovénia não exclui a possibilidade de construir uma vedação para impedir a entrada de imigrantes se a União Europeia não lhe prestar o apoio suficiente, anunciou o primeiro-ministro Miro Cerar na sexta-feira.