Abdou Diouf, um jovem migrante ilegal, serviu-se do Instagram para contar a sua jornada do Senegal até Espanha. As publicações que partilhou na rede social estão a chamar à atenção, ao retratarem as dificuldades e os perigos que milhares de imigrantes ilegais passam para chegar à Europa, em busca de uma vida melhor.

“Hoje começo um sonho novo. Hoje começo a minha travessia até à Europa para eu e a minha família podermos ter um futuro melhor. Vou mostrar toda a minha viagem aqui”, pode ler-se na primeira publicação de Adbdou Diouf, feita apenas há uma semana, onde posa com uma amiga para a foto, ainda no Senegal.

 
 

#penthouse #family #weekend #happyfamily #bestdayever #love #willmissyou #daydreamers #african #senegal #dakar

A photo posted by Abdou Diouf (@abdoudiouf1993) on


Os posts mostram o jovem, que está na casa dos 20 anos, a deixar a sua terra, a atravessar o deserto e a apanhar o barco para Espanha e as dificuldades que sofreu durante a jornada, desde o medo, ao frio, à fome e à falta de condições na embarcação em que seguia.

Antes da viagem, Abdou partilhou a foto da última refeição com a mãe, escrevendo que “a viagem vai ajudá-la muito pois é demasiado velha para trabalhar”.

 

A primeira etapa da viagem foi chegar a Nouadhibou, na Mauritânia. Um amigo levou-o de mota, com alguns pertences. Na publicação, Abdou descreve que houve “alguns problemas, lágrimas e frio”, mas que está “confiante”.

Na fotografia seguinte, alguém lava o cabelo do jovem, que anuncia a sua chegada à cidade de Atar. Abdou diz que houve “uma mudança de planos” e que a estadia será breve.

 

 


A jornada torna-se cada vez mais difícil. Numa publicação, Abdou surge cansado e suado, depois de “dois dias a andar” no deserto. Atrás dele podem ver-se mais pessoas. “O guia diz que não podemos parar, senão perdemos os 2.000 euros que pagámos para a travessia de barco”.

 

Noutra imagem, o jovem surge perto de uma fogueira. Na descrição pode ler-se: “Algures no deserto, antes de chegar a Marrocos. Não há comida. Apenas sumo e bolachas”.

 

“Escondido num camião, tentando passar a fronteira. Não tenho ar e doem-me as pernas. Desejem-me sorte”, pode ler-se na publicação seguinte.

 


Noutra fotografia, Abdou surge a correr, seguido por outros migrantes, depois da chegada a Marrocos.

A chegada ao local ao porto, onde apanharia a embarcação para chegar a Espanha, tornou-se outra desilusão. Abdou diz que pagou 2.000 euros pela viagem, mas esse dinheiro não lhe garantiu qualquer segurança ou comodidade durante a travessia.

“Não há dinheiro nem um barco grande. A única maneira que temos de atravessar é com um pequeno barco insuflável que é preciso remar toda a noite. Estou com muito medo”.

 

Apesar da dura viagem, Abdou conseguiu chegar a Espanha e retratou o momento no Instagram, numa foto onde aparece a sorrir e onde se podem ver mais dois migrantes abraçados, visivelmente felizes. “Finalmente a terra das oportunidades. Estamos cansados mas felizes”.

 

Há cinco dias, o jovem publicou uma nova foto, tremida, que alegadamente tirou quando estava a ser capturado pelas autoridades espanholas. Na legenda pode ler-se: “A polícia recebeu-nos perto da praia. Eles não são amigos de sonhadores ilegais”.

 


Na publicação seguinte, Abdou conta que vai passar os próximos dias num Centro de Internamento para Estrangeiros (CIE), que “não é um bom sítio para se estar”.

A conta, que tem quase seis mil seguidores, serviu para um utilizador até lhe oferecer casa, se conseguir chegar à Escócia.
 

“Estas pessoas não têm quaisquer direitos humanos e é quase impossível para eles conseguirem lutar no seu próprio país. Neste mundo somos todos seres-humanos e nós devíamos estar a lutar pelos seus direitos humanos, uma vez que somos tão privilegiados por ter os nossos. O mínimo que podemos fazer é recebê-los num sítio onde possam ter direitos, liberdade, emprego, comida, serviço de saúde e segurança. Eu encheria a minha casa com aqueles que procuram asilo. Vem para a Escócia @abdoudiouf1993 e podes ficar comigo”.


A última publicação de Abdou foi há menos de 24 horas. O migrante partilhou um vídeo, onde sorri e agradece o apoio dos seus seguidores.