As autoridades austríacas revelaram ter descoberto 200 refugiados e detido cinco traficantes de pessoas numa operação ao longo da fronteira, noticia a Reuters.

“Desde a hora que começamos a implementar as medidas que acordámos com a Alemanha, a Hungria e a Eslováquia que conseguimos retirar mais de 200 refugiados de veículos e deter cinco traficantes”, afirmou Konrad Kogler, diretor-geral para a segurança pública em conferência de imprensa.


Johanna Mikl-Leitne, ministra do Interior austríaca, afirmou que o que tem sido feito ao longo das fronteiras da Áustria não são controlos clássicos e que o país não está a “violar” o acordo de Schengen.

“O alvo são os grupos de traficantes de migrantes. Os controlos são exercidos pela polícia de trânsito e as forças de segurança. Não é um controlo fronteiriço no sentido clássico, mantemos todos os compromissos da zona Schengen”, disse a ministra do Interior em conferência de imprensa.


A Áustria tem endurecido o controlo nas suas fronteiras do este do país, depois de terem sido encontrados 71 migrantes mortos num camião abandonado. 

“Vamos fazer controlo por um tempo indeterminado em todos os postos fronteiriços da região leste, verificando todos os veículos que tenham possíveis esconderijos para pessoas que possam estar a ser traficadas”, afirmou Johanna Mikl-Leitner à rádio ORF.

Hungria fecha autoestrada que liga à Áustria


A Hungria fechou a autoestrada M1 - que liga o país à Áustria - ao longo de 20 quilómetros depois das autoridades austríacas terem aumentado o controlo de veículos que podem estar a ser usados para tráfico humano, revelou a agência MTI.

Para além da M1, também uma estrada secundária foi encerrada. Os controlos de tráfego nas autoestradas iniciaram-se no domingo no estado de Burgenland (leste) e estão a ser realizados em coordenação com as autoridades da Hungria, Eslováquia e Alemanha.

As autoridades húngaras intercetaram entre sexta-feira e domingo 8.792 migrantes que cruzaram a fronteira de forma ilegal e detiveram 36 pessoas por suspeita de tráfico de seres humanos, anunciou esta segunda-feira o Ministério do Interior húngaro.
 
Na semana passada, 10.000 migrantes atravessaram esta fronteira e nos últimos dois anos a Hungria tornou-se num dos principais países de trânsito na UE para migrantes que tentam ir para a Áustria ou Alemanha. A maioria é oriunda do Iraque, Afeganistão, Síria e Kosovo.

A Hungria anunciou no sábado a conclusão da barreira de arame farpado, destinada a impedir a entrada de milhares de migrantes concentrados junto à fronteira com a Sérvia.