O Governo do Presidente interino do Brasil, Michel Temer, cancelou, na terça-feira, a construção de 11.250 habitações sociais, no âmbito do programa “Minha Casa, Minha Vida”, um dos mais destacados dos executivos de Lula da Silva e de Dilma Rousseff.

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, revogou uma decisão de Rousseff que autorizava o banco público Caixa Federal a encomendar a construção de até 11.250 habitações para o programa "Minha Casa, Minha Vida", segundo um comunicado.

O ministério explicou que se trata de uma medida preventiva, já que, no seu entender, o contrato para a construção de novas casas “foi assinado e publicado nos últimos dias do Governo anterior e sem os recursos necessários”.

Michel Temer tomou posse a 12 de maio, dia em que o Senado aprovou a abertura do processo de impeachment a Dilma Rousseff.

Dilma considera que a votação do Senado e o seu afastamento constitui um "verdadeiro golpe" e garante que não vai desistir de lutar.