O ministro dos Transportes da Malásia, Liow Tiong Lai, disse que a confirmação de que um avião comercial foi abatido quando sobrevoava a Ucrânia seria «um ato de ira contra a decência humana».

«Se isto realmente for confirmado, seria um ato contra a lei internacional, e seria um ato de ira contra a decência humana», disse o governante aos jornalistas.

O avião da Malaysia Airlines, com 298 pessoas a bordo, fazia a ligação entre Amesterdão e Kuala Lumpur, tendo desaparecido dos radares da Ucrânia a uma altitude de 10.000 metros.

O Boeing-777 perdeu a comunicação com terra na região oriental de Donetsk, perto da cidade de Shaktarsk, e palco de combates entre forças governamentais ucranianas e rebeldes pró-russos.

Os serviços secretos norte-americanos disseram «acreditar fortemente» que o avião foi abatido por um míssil terra-ar, de origem ainda desconhecida.

A operadora nacional da Malásia é das poucas que ainda utiliza o corredor aéreo da Ucrânia na ligação entre a Ásia e a Europa. De acordo com a recolha feita pela AFP, a maioria das outras companhias aéreas deslocou o tráfego mais ou menos 250 quilómetros para evitar sobrevoar esta zona de conflito entre a Rússia e a Ucrânia.