Milhares de pessoas aterrorizadas saíram às ruas da Cidade do México com rostos assustados e um persistente cheiro a gás, após o forte terramoto de terça-feira.

O sismo, de 7,1 na escala de Richter, colapsou pelo menos 44 edifícios na cidade, provocando fugas de gás nas ruas e um forte odor a gás que afetou os cidadãos que se apressaram a ajudar as equipas de resgate, com cordas, roupas e água.

As pessoas juntaram-se perto dos edifícios colapsados, cobrindo os rostos com as mãos devido ao cheiro a gás, enquanto procuravam informações sobre os seus familiares presos nos escombros.

As autoridades cortaram as ruas e helicópteros ajudavam a coordenar o trabalho das autoridades mexicanas que se encaminhavam para os locais destruídos pelo sismo.

Julia, uma mulher de meia idade, contou à agência noticiosa espanhola Efe como sobreviveu à derrocada do edifício.

Estávamos lá dentro, num curso de micropigmentação, quando começou tremer. Estávamos no quinto andar e todo o edifico começou a cair. Nós rastejámos como pudemos para sair, porque tudo estava coberto de terra e pó", disse.

Beatriz Pérez, uma mulher residente na capital do México, estava preocupada com a situação da filha.

Quando atravessei a rua só via fumo e disse 'meu Deus' este é o prédio da minha filha. Eles estão enterrados lá. De certeza que estão debaixo da mesa, eu conheço-os, quando treme é ali que se escondem", disse, referindo-se à sua filha e ao parceiro.

As equipas de resgate estão a tentar retirar as pessoas que ficaram soterradas pelos escombros e as autoridades aconselham as pessoas a afastarem-se das ruas. Os semáforos estão desligados e o trânsito está um caos.

As equipas de resgate trabalham esta madrugada a bom ritmo nos escombros e cada vez que alguém é retirado com vida, as pessoas que estão agrupadas em redor aplaudem, enquanto outros estão desolados à espera que se mencione o nome dos seus familiares, de acordo com a reportagem da agência espnahola Efe.