A pintora e escultora Megumi Igarashi, conhecida como a “artista da vagina”, por distribuir objetos obscenos, foi condenada hoje no Japão ao pagamento de uma multa equivalente a 3.250 euros, na sequência de um julgamento por obscenidade.

O Tribunal Distrital de Tóquio determinou a aplicação de uma multa de 400.000 ienes (cerca de 3.250 euros), metade do valor pedido pelo Ministério Público.

Megumi Igarashi, de 43 anos, foi acusada de distribuir dados para imprimir réplicas em 3D da sua vagina através da Internet, em troca de dinheiro, em outubro de 2013 e março de 2014.

A artista, que trabalha sob o pseudónimo de «Rokudenashiko» (que em japonês quer dizer «rapariga que não serve para nada») negou sempre todas as acusações, alegando que não reconhece a Arte que faz como uma obscenidade. 

Detida há dois anos, o seu caso desencadeou a condenação a nível internacional, por ser considerado uma grave violação à liberdade de expressão, e também gerou uma campanha no portal de petições públicas Change.org, que recolheu milhares de assinaturas para que fosse libertada e ilibada.