O presidente do Parlamento Europeu (PE), Martin Schulz, pediu, numa carta enviada ao chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, a libertação imediata e incondicional de Nuno Dala, que interrompeu hoje uma greve de fome de 36 dias.

"Peço, em nome deste Parlamento, que faça o possível para garantir a libertação imediata e incondicional de Dala e de 16 defensores dos direitos humanos (...) e a anulação das sentenças", indicou na carta.

O PE "está profundamente preocupado com o estado crítico do ativista Nuno Dala", sublinhou Schulz.