A televisão estatal do Burkina Faso, RTB, interrompeu a sua emissão, após um tiroteio junto às suas instalações.

Os disparos terão ocorrido depois da chegada de Saran Sereme, líder do partido da oposição PDC, e de cerca de 100 apoiantes de Sereme que cantavam «Saran a Presidente». Tudo indica que Saran estava preparada para anunciar na televisão a sua disponibilidade para encabeçar o Governo de transição.

Testemunhas no local afirmaram à BBC que os soldados do exército dispararam tiros para o ar para dispersar os manifestantes, antes de forçar os jornalistas a fugir. Apesar dos disparos, ninguém terá ficado ferido.

O clima de tensão e confrontos no Burkina Faso tem-se intensificado nos últimos dias. Depois dos protestos que levaram à demissão do Presidente Blaise Comparoé, que governou o país durante 27 anos, agora também o novo presidente, o tenente-coronel Isaac Zida, escolhido pelos militares para liderar o Governo de transição, é contestado pela população.

Segundo a Reuters, um general do exército também estava presente no estúdio do canal, juntamente com alguns dos seus apoiantes, e testemunhas no local afirmaram que o militar planeava fazer uma declaração em direto no canal, antes de a emissão ter sido interrompida.

Entretanto, na capital Ouagadougou, centenas de manifestantes foram dispersados da praça central «Place de la Nation», palco de várias manifestações e confrontos dos últimos dias, pelos guardas presidenciais que começaram a vigiar o local.