Se, há dois dias, parecia que Hong Kong estava a voltar à normalidade, com negociações na mira do horizonte, tudo mudou esta quinta-feira. A ideia era haver amanhã uma reunião entre o Governo e os estudantes que se têm manifestado pela democracia e paralisado as zonas da cidade, mas as autoridades já vieram anunciar o rompimento das negociações. Os jovens prometem reagir.

«A base para um diálogo construtivo foi minada. É impossível ter uma reunião construtiva amanhã [sexta-feira]», disse a secretária-chefe do executivo da Região Administrativa Especial chinesa, Carrie Lam, em declarações aos jornalistas, segundo a Lusa.

Entretanto, já há uma reação a este anúncio da parte dos jovens. A porta-voz da Federação de Estudantes, Yvonne Leung, informou numa mensagem escrita na aplicação online WeChat, por onde eles comunicam, que os estudantes iriam reagir ainda esta noite ao rompimento das negociações por parte do Governo. 

«Vamos responder por volta das 21:00 (14:00 em Lisboa)», escreveu Yvonne Leung.

Esta é a forma de os estudantes comunicarem, uma vez que o Governo decretou o bloqueio das redes sociais e sites informativos.